Falsos Fundamentos da Verdade.

Falsos Fundamentos da Verdade:

 O único padrão para medirmos a veracidades das coisas divinas é a palavra de Deus.

1- Quantidade- Julgar uma crença, dogma, pelos números de adeptos é medir com um padrão extremamente falível. Algo não é verdadeiro por que tem pouco ou tem muito, isto é relativo, exemplo: Elias e os profetas de Baal, neste caso um estava com a verdade e a grande multidão de profetas estava errada. Algumas seitas para explicarem o pouco crescimento de suas igrejas alegam que pela porta estreita passam poucas pessoas, tentando fundamentar o não crescimento na Bíblia. O prumo das escrituras ignora resultados numéricos, embora o mundo moderno ame as estatísticas.

2-Antiguidade- A antiguidade de uma crença jamais será garantia de veracidade. A verdade não vive de múmias. As pessoas tem a mania de que quanto mais velho for, mais verdadeiro é, é bom lembrar que o diabo é muito antigo. Os Antigos podem estar tão errados quantos os modernos, e vice versa. Algumas igrejas chegam a colocar a tradição em pé de igualdade com a Bíblia.

 3- Sucesso- Sucesso tornou se a palavra do momento, capaz hoje de justificar qualquer conceito. Na visão das pessoas, se tem sucesso, é por que tem Deus ai, será? Os profetas do passado seriam vistos hoje como fracassados, já que alguns não tinham dinheiro, casas e etc. A verdade pode tornar alguém bem sucedido, mais isto não significa que alguém sucedido esta com a verdade. Pessoas de sucesso podem estar avançando por caminhos que não são os caminhos de Deus, cuidado ao usar esta avaliação.

 4-Moralidade- É perigoso colocar o comportamento como fundamento da verdade. As obras impressionam de tal ponto que muitos pressupõem que se alguém faz bem ao próximo ele já esta com Deus e já esta salvo. As boas obras devem ser estimuladas e praticadas, mais salvação é outra coisa. Se não fossem assim Jesus não precisaria ter morrido por nos, era só praticar boas obras, e isto até traficante faz, ao distribuir cestas básicas nas favelas e até ajudar algumas famílias. Você não pode avaliar uma doutrina de alguém pelo numero de cestas básicas que distribui. O amor não é equivalente à verdade, embora os dois tenham que andar juntos. Alguém pode ajudar pessoas, e se quer crer em Jesus, como filho de Deus. Todos que servem a Deus devem ser justos, mais nem todos que possuem aparência de piedade servem a Deus.

 5- Beleza- Hoje o mundo procura estética e não ética. Todos querem uma religião que possam se orgulhar pela sua beleza, mais não se importam se é verdadeira. Nem tudo que é belo é necessariamente verdadeiro, e nem tudo que é verdadeiro necessariamente é belo, mais com certeza é bom. No passado o povo de Israel ao escolher o primeiro Rei, o fez pela sua beleza e pagou por isso. A Bíblia diz em Isaias que Jesus não tinha parecer nem formosura, e olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos para que o desejássemos. Um belo Hino, uma bela pregação podem facilmente conter inverdades que serão aceitas por causa de sua beleza. A bíblia diz que o diabo se transfigura em anjo de luz para enganar as pessoas. II Cor.4.4.

 6- Agradabilidade- Ninguém se tornara popular pregando a doutrina do inferno. A verdade nem sempre é doce e fácil de ouvir. As pessoas gostam de seguir lideres que os agradem que agradem seus ouvidos, e alguns lideres sabendo disso pregam exatamente o que as pessoas querem ouvir, querem agradar através de mentiras para segurar o povo para seu próprio conforto. Nem Jesus agradou a todos, nem Deus no Deserto agradou a todos, e pessoas verdadeiras, não se preocupam em agradar, mais sim em pregar a verdade.